O Prêmio

O objetivo do Prêmio Innovare é identificar, premiar e disseminar práticas inovadoras realizadas por magistrados, membros do Ministério Público estadual e federal, defensores públicos e advogados públicos e privados de todo Brasil, que estejam aumentando a qualidade da prestação jurisdicional e contribuindo com a modernização da Justiça Brasileira. As práticas identificadas demonstram o rico e diversificado trabalho que vem sendo realizado e o acervo é disponibilizado no Banco de Práticas deste portal, podendo ser consultado gratuitamente por todos os interessados.

 

Para cada edição anual do Prêmio Innovare, o Conselho Superior do Instituto Innovare, órgão responsável pelas diretrizes do projeto. Os interessados em concorrer preenchem um formulário eletrônico, encontrado neste portal durante o período de inscrições, e apresentam suas práticas inovadoras e com resultados comprovados. As práticas recebidas e de acordo com o regulamento do Prêmio são visitadas por consultores especializados e posteriormente analisadas e julgadas pelos membros da Comissão Julgadora. Não serão premiadas idéias ou sugestões para o aprimoramento da Justiça. A cerimônia de Premiação ocorre em dezembro e conta com a participação das maiores autoridades brasileiras.

O Prêmio Innovare recebe inscrições oriundas de todos os estados do Brasil, de todas as instâncias e esferas da Justiça Brasileira. As inscrições são avaliadas pela Comissão Julgadora com base nos seguintes critérios:

Eficiência:

  • conjugação de rapidez, qualidade e efetividade na solução dos conflitos;
  • otimização de recursos internos dos tribunais;
  • publicização das decisões tomadas;
  • aumento da produção: crescimento do número de processos julgados / analisados / ajuizados por juiz / juizado / tribunal / MP / Defensoria Pública e advogados;
  • redução de custos para análise: tempo utilizado;

Celeridade:

  • rapidez na solução dos conflitos: menor tempo entre o ajuizamento e a solução de um processo;

Qualidade:

  • estabelecimento de metas de desempenho na gestão no Poder Judiciário;
  • inserção de instrumentos de controle de qualidade ( ex: programa ISO 9000, entre outros );
  • atendimento qualificado ao usuário externo;

Criatividade:

  • uso inusitado dos recursos disponíveis para melhorar e/ou aperfeiçoar o processo de gestão no poder judiciário;
  • inserção de novos processos

Praticidade:

  • grau de simplicidade na implementação e no desenvolvimento da experiência apresentada;

Ineditismo:

  • capacidade de inovação da experiência apresentada;

Exportabilidade:

  • potencial capacidade de disseminação da prática ou de um conjunto de práticas;

Satisfação do Usuário:

  • qualidade da resposta entregue ao usuário e seu grau de satisfação. A prática deve ter como destinatário o cliente do Poder Judiciário, que são os jurisdicionados;
  • observação e mensuração da satisfação individual ( ex: diminuição do número de recursos, conseqüências econômicas e sociais )

Alcance Social:

  • Capacidade de pacificação da sociedade e produção do bem comum.

Abrangência Territorial.

  • densidade populacional e alcance territorial. Capacidade de expansão geográfica da prática às comarcas contíguas ou não.
Quem pode participar?

Podem concorrer tribunais,  magistrados, membros do MP estadual e federal, defensores públicos e advogados públicos e privados

As categorias do Prêmio

As categorias do Prêmio Innovare são:

  • Tribunal
  • Juiz
  • Ministério Público
  • Defensoria Pública
  • Advocacia
Premiação

A partir da X edição, em razão da recente resolução do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), os vencedores não receberão mais premiações em dinheiro, apenas o troféu e as menções honrosas, distribuídas em todas as categorias.

Regulamentos

Faça o download dos regulamentos das edições do Prêmio Innovare:

Opinião

A difusão das boas práticas é a melhor forma de aperfeiçoar a administração da Justiça e aproximá-la dos interesses do cidadão e da sociedade. O Prêmio Innovare é, por certo, a demonstração mais evidente dessa regra de bom senso gerencial."

João Geraldo Piquet Carneiro