Humanização no pátio de visitas

Edição XIV - 2017


Prática

Autor(es): RICHARD HARRISON CHAGAS DOS SANTOS

Categoria: Justiça e Cidadania

Estado: Joinville - SC

Descrição resumida

A segregação, por si só, gera muitos transtornos seja para a pessoa presa ou para aqueles que possuem algum vínculo. Certamente a cadeia não é um lugar atraente para uma criança, um ambiente carregado de situações que pais não gostariam que seus filhos tivessem contato. Porém, tanto para a criança quanto para o pai, o vínculo familiar permanece muito importante, principalmente em unidades prisionais que focam seus esforços no processo de ressocialização do individuo. Sendo assim, na Penitenciária Industrial de Joinville (SC), investiu-se em brinquedos para o pátio de visitas, com intuito de tornar o ambiente mais aprazível para as crianças que realizam visitas na unidade, e proporcionar momentos de interação entre os familiares através do ato de brincar, fortalecendo os vínculos e laços afetivos. Foram adquiridos vários brinquedos a fim de atender as diversas faixas etárias. Assim que os brinquedos foram colocados à disposição das crianças observou-se que elas entravam no pátio, buscavam os brinquedos e procuraram interagir com os pais, tornando o ambiente mais humano e aconchegante. O brincar é uma atividade que proporciona para a criança a possibilidade de integração, socialização e externalização de sentimentos e emoções, que por vezes não consegue verbalizar.

Qual a principal inovação da sua prática?

Tornar o ambiente do sistema prisional mais humanizado e aproximar as crianças de seus pais.

Explique como sua prática contribui para o aperfeiçoamento da justiça.

Reservada a segregação do indivíduo que cometeu delitos, é preciso buscar similitude com a vida fora do sistema penitenciário. Proporcionar as mais diferentes atividades, seja cultural, de educação, oportunidade de trabalho, entre outros, são fundamentais para recuperar o indivíduo que, muito em breve, retornará à vida em liberdade. E a família, como em todas as fases da vida, tem papel fundamental para a ressocialização. No entanto, o ambiente de uma cadeia por si só, pode gerar conflitos em uma criança que visita seu pai. Visto isso, na unidade de Joinville, com base em apontamentos feitos pelos próprios internos, sobre como as crianças ficavam agitadas e ansiosas durante as visitas, por falta de atividades, surgiu a ideia de tornar o ambiente mais humano. A aproximação da família e o tempo com melhor qualidade, podem contribuir para que este indivíduo no momento preso, não venha reincidir quando em liberdade, e amenizar as marcas deixadas às criança que visitam seus pais na Penitenciária, não sendo tão aparente se tratar de uma cadeia.

Desde quando sua prática está em funcionamento?

Data: dezembro/2011

Explique como ocorreu o processo de implantação da prática.

A ideia surgiu a partir de reuniões realizadas pelo diretor na época, Richard Harrison, com os apenados, que referiram a preocupação com as crianças no pátio durante a realização de visitas, pois essas ficavam agitadas e ansiosas, porque não tinham nenhuma atividade de lazer.

Quais os fatores de sucesso da prática?

Melhor contato com a família e valorização do ser humano, independente da prática delituosa. Contribuindo, assim, para todo um trabalho voltado à ressocialização do indivíduo.

Quais as difuldades encontradas?

Pessoas acreditarem que a ressocialização é possível e quererem investir em uma unidade penitenciária.

Descreva resumidamente as atuais etapas de funcionamento da prática.

Para atender as diferentes faixas etárias de crianças que visitam seus pais na Penitenciária Industrial de Joinville, foram adquiridos vários brinquedos, como bolas, brinquedos de montar, escorregadores, bicicletas, motocas, casinha de boneca, petecas, carrinhos, entre outros. Isso por meio de arrecadação própria - Fundo Rotativo. Sempre que necessária manutenção desses brinquedos, também são realizadas com Fundo Rotativo. De imediato percebeu que o tempo em família ganhou qualidade. Assim que os brinquedos estavam à disposição no pátio de visitas, aumentou a interação entre pais e filhos, tornando o ambiente mais humano e aconchegante.

Equipe

Uma equipe é responsável pela ideia dar certo. Além da direção de Richard Harrison, os setores envolvidos foram o fundo rotativo e a gerência de Saúde, Ensino e Promoção Social.

Equipamentos e sistemas

Brinquedos em geral para atender diferentes faixas etárias de crianças.

Orçamento

Meio de arrecadação própria do fundo rotativo.

Outros recursos

Todos os envolvidos, a equipe da Penitenciária, apenados com sua liberdade de se manifestarem em prol do coletivo e familiares que acreditaram no projeto.