Deferida | Autor(es): Rosemary Ramos | Categoria: Justiça e Cidadania | Cidade: Parque Industrial (Contagem) - MG

Projeto Mãos Pela Paz- Reintegrar através da Arte

Prática Deferida

Autor(es): Rosemary Ramos

Categoria: Justiça e Cidadania

Estado: Parque Industrial (Contagem) - MG

Link de Vídeo

https://www.youtube.com/watch?v=No4wLjXMKc8

Descrição resumida

O projeto Mãos Pela Paz - Reintegrar através da arte, foi criado em 2014 para atender a demanda do Centro de Remanejamento do Sistema Prisional de Betim-MG. As Unidades Prisionais que deveriam receber os presos condenados, através de transferências, estavam superlotadas e algumas, impedidas judicialmente de receber novos detentos. Assim, foi percebida a necessidade da criação de um projeto, onde os direitos dos detentos condenados fossem garantidos enquanto estivessem custodiados no Centro. Com experiência no Serviço Social prisional, percebi a chance de incluir a arte nas atividades laborativas do Centro e o projeto foi formatado e entregue à diretoria. A proposta inicial era trabalhar a reintegração social através de exposições das obras criadas com a técnica do Origami( Arte japonesa). Mãos Pela Paz tem uma proposta inovadora que vai além de ofertar uma atividade laborativa, pois envolve o trabalho coletivo. Os participantes iniciam no processo de imitação de peças para depois se libertarem e criarem suas próprias obras de arte. Após este avanço são capacitados para multiplicarem o conhecimento para outras pessoas. Assim, é possível colocar em prática a inclusão social dos participantes durante seu cumprimento de pena com ofertas de cursos ministrados por eles fora do Centro, exposições e palestras com objetivo de quebrar paradigmas existentes no processo de reintegração social do detento. Já foram realizadas intervenções significativas para o desenvolvimento do projeto, tais como: participação na Virada Cultural, oferta de curso para educadores no Palácio das Artes, oficinas para detentos das Unidades Prisionais do Sul de Minas e sócio educativo, exposições, participações em feiras de artesanato, confecção de cenário para Festival Internacional de Corais e peça teatral apresentada no Palácio das Artes, reportagens para TVs, jornais e revista

Explique como sua prática contribui para o aperfeiçoamento da justiça.

A contribuição se dá na oferta de um projeto eficiente que garante o direito do detento mesmo estando custodiado em um Centro provisório de detenção. O projeto rompe paradigmas existentes na cultura do cárcere. Ele aproxima e dialoga diretamente com a sociedade, com funcionários, além de fortalecer os vínculos familiares, o que é essencial para reintegração social do detento.

Desde quando sua prática está em funcionamento?

Data: outubro/2013

Qual a principal inovação da sua prática?

A principal inovação deste projeto é a reinserção social do detento privado de liberdade como detentor do conhecimento, onde ele é o artista e o professor de origami para outros detentos e em atendimento ás instituições solicitantes.

Explique como ocorreu o processo de implantação da prática.

Durante a primeira quinzena de atuação como assistente social do Centro, percebi que alguns detentos faziam origami( dobradura). Então foi proposto para a diretoria um espaço para o desenvolvimento desta arte no qual tenho um vasto conhecimento. Fui convidada pela FIEMG a realizar uma exposição de origami e tive a grande idéia de propor a diretoria a criação de um ateliê de origami, onde os participantes teriam aulas diárias d eorigami e no final, participariam de minha exposição. A diretoria aprovou e no outro dia já estava em funcionamento com os detentos que já faziam origami. Aalguns foram escolhidos por eu ter visto, outros os agentes nos informava quando viam origamis nas celas. Assim, formamos uma turma de 10 participantes. e logo após a exopisção fomos convidados para participar do Circuito cutural no Parque Municipal de Belo Horizonte. Atualmetne os detentos participantes são selecionados através da Comissão Técnica de Classificação ( CTC), depois preparados através de vídeos, livros, aulas expositivas e confecção de peças já existentes e posteriormente criação. Quando já sentem que estão estão preparados para multiplicarem o conhecimento, organizamos turmas de alunos internos que solicitam a inclusão no projeto através de bilhetes entregues aos agentes penitenciários. Assim, se torna possível inclui-los nas oficinas. Durante este processo, é realizada uma avaliação dos multiplicadore como: a didática, domínio do conteúdo, utilização do material e resultado alcançado. Quando recebermos convites externos, é realizada uma reunião com a diretoria de ressocialização para averiguação do cumprimento da agenda. Após a aprovação, o convite é discutido com os participantes no ateliê. O objetivo é que todos possam participar

Quais os fatores de sucesso da prática?

É possível considerar como fatores de sucesso, a aceitação social, vínculos familiares resgatados e fortalecidos; aumento de detentos interessados em participar do projeto; elevação da autoestima dos funcionários pelo sucesso do projeto na mídia, que sempre está presente para noticiar as ações realizadas pelo projeto; tema de monografia no curso de mestrado em criminologia da UCES-Buenos Aires, dos mais de 200 participantes, menos de 5% retornaram para o cárcere.

Quais as difuldades encontradas?

Temos dificuldades em atender um número maior de participante no espaço disponível para o projeto e patrocínio de materiais.

Descreva resumidamente as atuais etapas de funcionamento da prática.

Atualmente o projeto funciona dentro do Centro de Remanejamento e tem parceria com o Judiciário, pastorais. Participa de 02 feiras de artesanato, atende demandas externas como, decoração, oficinas e encomendas.

Infraestrutura

Atualmente o projeto funciona dentro do Centro de Remanejamento e tem parceria com o Judiciário, pastorais. Participa de 02 feiras de artesanato, atende demandas externas como, decoração, oficinas e encomendas.

Equipe

O projeto é coordenado por uma assistente social e conta com o apoio da equipe técnica do Centro nos atendimentos individuais, vigilância e escolta

Outros recursos

Outros recursos que também auxilia na compra de materiais é a própria venda das peças em feiras de artesanatos.

Parceria

Temos como parceira principal a pastoral carcerária que auxilia com materiais para manutenção do projeto e gráficas que envia retalhos de papéis que seriam destinados a reciclagem.

Equipamentos e sistemas

Computador e Data show

Orçamento

Para um funcionamento de maior qualidade e uma expansão de pessoas atendidas, seria necessário um orçamento de R$1000.00 por mês.

Parceiros Institucionais

Apoio